Quem sou eu

Minha foto
brasileiro, casado, três filhos, professor de Hebraico, Crítica do AT, Arqueologia e Grego. Bacharel em Teologia e Licenciado em Letras - Administrador de Redes

Pesquisar este blog

Arquivo do blog

quinta-feira, 17 de junho de 2010

lúcifer, a invenção de um nome 1 UMA ANÁLISE DA ORIGEM DO NOME lúcifer



ENSAIO TEOLÓGICO
lúcifer, a invenção de um nome 1
UMA ANÁLISE DA ORIGEM DO NOME lúcifer
Por
Prof. Pr. José Ribeiro Neto
Professor Titular da Cadeira de Hebraico Bíblico, Grego do NT, Crítica do AT e Teologia Sistemática II (Deus / Anjos) no Seminário Teológico Batista Nacional Enéas Tognini– SP; Professor da Cadeira de Língua Portuguesa e Metodologia Científica na FAESP

Resumo
Analisamos aqui como uma interpretação teológica estabelecida de uma passagem das Escrituras tal como Is 14.12 pode conduzir a uma leitura errônea de um vocábulo transformando-o em um nome próprio. No caso, a influência da Vulgata na interpretação do vocábulo latino lucifer como um nome próprio. Procuramos também fazer uma análise morfológica do texto original propondo uma tradução interlinear bem como uma tradução idiomática comparando com dicionários do hebraico e também analisando a ocorrência do vocábulo lucifer em outros contextos da Vulgata para demonstrar a impossibilidade do termo ser um nome. Por fim analisamos os principais nomes utilizados na Bíblia, tanto no AT quanto no NT, para se referir a satanás, definindo assim os nomes que deve-se referir ao inimigo.

Palavras chave: lucifer, diabo, satanás, Isaías 14.12, vulgata

Abstract

We analyzed here how a establishment theological interpretation from a biblical text such as Is 14.12 can leave to a misleading reading for a word to converting it in a name. In this case, the Vulgate influence in the interpretation of the word lucifer as a name. We seek too make a morphological analysis from original Hebrew text proposing a interlinear translation and a idiomatic translation comparing with Hebrew lexicography analyzing too the occurrence of the word lucifer in others contexts of Vulgate to demonstrate the impossibility of the word to become a name. Finally we analyzed the mains names that the Bible uses, in OT as in NT, to refer for satan, defining the names that must be used to refer to the enemy.

Key words: lucifer, devil, satan, Isaiah 14.12, Latin Vulgate Version

Introdução

Ele é conhecido na língua portuguesa por diversos nomes: pé preto, tinhoso, o coisa ruim, capeta, o demônio, diabo, fedido, etc, etc, etc.2 Mas nas igrejas evangélicas e em tantas outras religiões ele é chamado de lúcifer. Alguns chegam até a dizer que esse era o nome do diabo antes de cair, anjo de luz, e que após a queda se tornou satanás ou diabo.

Alguém, contudo, já deve ter se perguntado: de onde vem o nome lúcifer? Em que versículo das Sagradas Escrituras podemos encontrar tal nome? O objetivo desse ensaio é procurar mostrar como uma tradução influenciada pela teologia pode criar um nome a ponto das pessoas o utilizarem tradicionalmente dele sem questionar sua origem.



  1. A Teologia subjacente à tradução

A maioria dos estudantes de teologia, professores de escola dominical e pastores sabem muito bem encontrar informações sobre a queda de satanás nos textos clássicos de Is 14.12: Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filha da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitava as nações! (ARC3) e Ez 28.14-15: Tu eras querubim ungido para proteger, e te estabeleci; no monte santo de Deus estavas, no meio das pedras afogueadas andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniqüidade em ti.

Vale lembrar que os textos acima citados não são claros a respeito da queda de satanás e se referem em seu contexto imediato ao rei de Babilônia (Is 14.12) e ao rei de Tiro (Ez 28.14-15).4 Uma referência indireta a satanás é possível, mas não podemos tirar uma conclusão definitiva sobre as duas passagens o que seria eisegese.5 É evidente que a interpretação tradicional das duas passagens já foi estabelecida há muito tempo e, portanto, é muito difícil as pessoas aceitarem outra análise que não seja a estabelecida pela tradição.


  1. O Texto original de Isaías 14.12

Todos sabem que quando temos dúvida a respeito de uma palavra ou versículo não temos outra saída a não ser recorrer ao original. Faremos aqui uma análise palavra por palavra, uma tradução interlinear e uma tradução por equivalência formal6 para compreendermos melhor a construção hebraica. O texto original hebraico é como segue:7
²
`~yI)AG-l[; vleÞAx #rnI rx;v'_-!B, lleäyhe ~yIm:ßV'mi T'l.p;în" %yae
êyh nafaltâ mishâmayim hêylêl bem-shâhar nigdda’tâ lâ‘arets hôlesh ’al-gôyim8
Análise Morfológica:

%yae – partícula interrogativa em forma de interjeição = como?
T'l.p;în" – verbo qal 2.ª pessoa masculino singular completo do tipo np da raiz lpn – tradução = tu caiste
~yIm:ßV'mi – preposição m + substantivo plural dual ~yIm:ßv' - tradução = desde os céus, dos céus
lleäyhe – substantivo masculino singular absoluto, da raiz llh = brilhar – tradução = estrela da manhã, lua crescente, estrela da alva, planeta Vênus, estrela resplandecente.

Aqui começam nossos problemas, pois a palavra é o que se chama de hapax legomena, ou seja, uma palavra de ocorrência única, não aparece em qualquer outro versículo na Bíblia Hebraica9, sendo assim de difícil tradução e identificação. Só é possível a tradução pela identificação da raiz e comparando com outras traduções antigas e palavras cognatas em outras línguas semíticas.10
rx;v'_-!B, – substantivo masculino singular construto !B, + substantivo masculino singular absoluto rx;v' – tradução = filho da alva, filho do amanhecer
T'[.D:äg>nI – verbo nifal 2.ª pessoa masculino singular completo do tipo GUTURAL l da raiz [dg – tradução = foste quebrado, foste preciptado, foste cortado
#r– preposição l + artigo h' + substantivo feminino singular absoluto #r – tradução = para terra, à terra
vleÞAx – verbo qal particípio masculino singular absoluto GUTURAL p da raiz vlx – tradução = estava debilitando, debilitavas, enfraquecias
~yI)AG-l[; – preposição + substantivo masculino plural - tradução = sobr gentios, sobre povos, sobre nações

Tradução Interlinear:
lleäyhe ~yIm:ßV’mi T’l.p;în” %yae
estrela resplandecente desde os céus caíste como
`~yI)AG-l[; vleÞAx #rnI rx;v’_-!B,
sobre os povos enfraquecias para terra foste cortado filho da alvorada

Tradução Idiomática11

Como caíste dos céus estrela resplandecente, filho da alvorada, como foste cortado em direção à terra tu que enfraquecias os povos?




  1. A ocorrência da palavra lucifer na Vulgata Latina

Is 14.12
quomodo cecidisti de caelo lucifer 12 qui mane oriebaris corruisti in terram qui vulnerabas gentes

Como caíste do céu, ó astro brilhante, que, ao nascer do dia, brilhavas? Como caíste por terra, tu que férias as nações?13

II Pe 1.19
et habemus firmiorem propheticum sermonem cui bene facitis adtendentes quasi lucernae lucenti in caliginoso loco donec dies inlucescat et lucifer oriatur in cordibus vestris

Temos ainda a palavra mais firme dos profetas, à qual fazeis bem em prestar atenção, como a uma lucerna14 que alumia num lugar escuro, até que venha o dia, e a estrela da manhã 15 nasça em vossos corações


11.17
et quasi meridianus fulgor consurget tibi ad vesperam et cum te consumptum putaveris orieris ut lucifer

Levantar-se-á pela tarde sobre ti uma luz como a do meio-dia; / e, quando te julgares destruído, surgirás como a estrela da manhã.16

Sl 109.3 [110.3 na Bíblia Protestante]
tecum principium in die virtutis tuae in splendoribus sanctorum ex utero ante luciferum genui te

Contigo está o principado no dia da tua força, / entre os resplendores dos santos; / das minhas entranhas te gerei antes da aurora.17
Jó 38:32
numquid producis luciferum in tempore suo et vesperum super filios terrae consurgere facis

És tu porventura que fazes aparecer a seu tempo a estrela da manhã, / e fazes nascer o Véspero sobre os filhos da terra?

Temos então:

lucifer – substantivo masculino singular nominativo (Is 14.12; II Pe 1.19; Jó 11.17)18
luciferum – substantivo masculino singular acusativo (Jó 38.32; Sl 110.3)19
lucifero * – substantivo masculino singular ablativo20
lucifero * – substantivo masculino singular dativo
luciferi * – substantivo masculino singular genitivo
luciferi * – substantivo masculino plural nominativo
luciferos * – substantivo masculino plural acusativo
luciferis * – substantivo masculino plural ablativo
luciferis * – substantivo masculino plural dativo
luciferorum * – substantivo masculino plural genitivo

Ao observar as citações acima fica claro a origem do nome lucifer, Jerônimo traduziu a expressão hebraica lleäyhe por lucifer, um susbtantivo latino que significa estrela da manhã, aurora, astro brilhante, planeta Vênus. No latim não é um nome, caso fosse teríamos que traduzir em todas as outras passagens citadas como um nome, o que causaria verdadeiras aberrações. Entretanto, por causa da interpretação teológica da passagem de Is 14.12 como se referindo à satanás, o substantivo latino passou a ser referido como um nome, esta interpretação se tornou tradição, ninguém mais questionou e passou-se a usar lucifer como o nome próprio de satanás.



  1. Outras traduções antigas de Is 14.12

Targum de Jônatas
av'n"a. ynEb. Agb. !t'w>yzE at'ywEh.d: am'wrU !mi at'nyker>tai !ydEk.yae
at'vyjer>tai ay"b;k.Ak !ybe ah'gnO ah'gn: bk'Akk. ybek.Akk.
`ay"m;m.[;b. lAjq. lyjeq' at'ywEh.d: a['ra;l.
êykhdêyn ‘itrekhêyntâ‘ min rumâ‘ dahwêytâ‘ zêywetân vegô vnêy ‘nâshâ‘
khekhôkhvêy khekhôvâv naghâ‘ nôghâ‘ vêyn khôkhvayâ‘ ‘itretêyshtâ‘
le‘ar’â‘ dahwêytâ‘ qâtêyl qetôl ve’ammayâ‘ 21

Como então caíste desde as alturas tu que eras distinto entre os filhos do homem, como estrelas de estrela do amanhecer, do amanhecer entre as estrelas foste banido para a terra que ele decapitou matando os povos.22

Versão Grega (LXX)

pw/j evxe,pesen evk tou/ ouvranou/ o` e`wsfo,roj23 o` prwi. avnate,llwn sunetri,bh eivj th.n gh/n o` avposte,llwn pro.j pa,nta ta. e;qnh
Como caiu do céu a brilhante [estrela] da manhã o que brilha de manhã, ele foi cortado para a terra, aquele que foi enviado para todos os povos

Estranhamente uma tradução inglesa da versão grega traduz a passagem da seguinte forma:

How has Lucifer 24, that rose in the morning, fallen from heaven! He that sent orders to all the nations is crushed to the earth.25

King James (1611)
How art thou fallen from heaven, O Lucifer, son of the morning! how art thou cut down to the ground, which didst weaken the nations!26

Almeida Corrigida Fiel
Como caíste desde o céu, ó estrela da manhã, filha da alva! Como foste cortado por terra, tu que debilitavas as nações!27

Almeida Revista e Atualizada
Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações!


  1. Os nomes bíblicos utilizados para o diabo

!j"ßF'h; (Jó 1.6ss, 12; 2.1ss, 6s; Zc 3.2) – literalmente o satan, satanás, a palavra significa adversário, opositor.
anjs (Jó 1.6s, 9, 12; 2.1s, 4, 7; I Cr 21.1) – literalmente o satan, que no Targum é utilizada essa palavra para traduzir o termo hebraico acima.

No NT temos: diabolos, beelzebul ou beezebul, beelzeboub, beliar, belial, satan e satanás28, esses eram os nomes utilizados por Jesus e os apóstolos para descrever os nosso inimigo, nunca lucifer.29

Conclusão

O diabo nosso adversário deve ser denominado pelas palavras utilizadas na Bíblia, pois essas palavras descrevem quem ele é e o que ele faz. O termo lucifer não é uma designação nem bíblica e nem correta para descrever o nosso acusador, pois carrega um significado de portador de luz, ora, ele não é portador de luz, mas sim de trevas, somente se disfarça em anjo de luz e os seus ministros em ministros de justiça.

Claro que nos círculos de adoradores do diabo e de seitas do espiritismo afro algumas entidades utilizam-se do termo lucifer, pois é evidente que satanás tem preferência por nomes menos depreciativos para a sua pessoa.

A reflexão que aqui fazemos é importante para entendermos como interpretações tradicionais estabelecidas podem fazer com que deixemos de ser bereanos e reflitamos mais sobre aquilo que nos dizem. Aceitar o uso do nome lucifer é aceitar um erro de interpretação da tradução de uma palavra como se fosse um nome por causa da carga teológica interpretativa da passagem. Não é um nome bíblico, nunca foi usado por Jesus nem pelos apóstolos portanto por que usá-lo?

BIBLIOGRAFIA UTILIZADA

ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática Latina: curso único e completo. 20.ª ed. São Paulo: Saraiva, 1985

BIBLIA HEBRAICA STTUTGARTENSIA. Editio quinta emendata. Sttutgart / Brasília: Deutsche Bibelgesellschaft / Sociedade Bíblica do Brasil, [2007 ?]

BIBLIA SACRA IUXTA VULGATA VERSIONEM. Editio Quinta. Sttutgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 2007

BÍBLIA SAGRADA, A. (Almeida Corrigida Fiel). São Paulo: Sociedade Bíblica Trinitariana, 1995

BÍBLIA SAGRADA COM MAPAS E REFERÊNCIAS, A. (Almeida Corrigida Fiel). São Paulo: Sociedade Bíblica Trinitariana, 2007

BROWN, Colin; COENEN, Lothar (orgs.). Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento. 2.ª Ed. São Paulo: Vida Nova, 2000

DOUGLAS, J. D. (org.). O Novo Diconário da Bíblia. 2.ª Ed. São Paulo: Vida Nova, 1995

DAVIDSON, Benjamin. The Analytical Hebrew and Chaldee Lexicon. NY: Zordervan, [18??]

HARRIS, R. Laird (org.). Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1998

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001

AUSUBEL, Nathan. Conhecimento Judaico II. Rio de Janeiro: A. KOOGAN editor, 1989


1Propositadamente escreverei todas as designações do diabo em letra minúscula, contrariando a gramática da língua portuguesa, mas sendo fiel com a desonra que ele merece.
2Gosto desses apelidos utilizados na língua portuguesa pois em sua maioria são depreciativos

3Todas as citações bíblicas serão tiradas da Almeida Revista e Corrigida, exceto quando especificada 


outra versão

4cf. Is 13.1-22; 14.1-23 e Ez 27.1-36; 28.1-19; em ambos os contextos há profecias contra várias nações

5Termo utilizado quando o intérprete insere suas opiniões no texto, diferente de exegese, em que o 


intérprete tira as conclusões do próprio texto sem interferências de suas opiniões particulares

6 Chama-se equivalência formal a tradução que procura manter a forma do original o quanto seja 




possível ao contrário de equivalência dinâmica que se preocupa mais com a língua de destino e menos 


com a língua de origem

7 Utilizamos aqui o texto massorético da BHS (Bíblia Hebraica Stuttgartensia). 5.ª Ed. s.l. Sociedade 


Bíblica do Brasil, [2009?]

8 O hebraico se lê da direita para a esquerda, mas para evitar confusões aos iniciantes, a transliteração 


está da esquerda para a direita


9 A não ser que a raiz esteja relacionada com o verbo hebraico lly = gemer, uivar, lamentar; forma que 


ocorre duas vezes em Zc 11.2, o que é pouco provável já que não caberia na tradução de Is 14.12

10Absurdamente, DAVIDSON, Benjamin. The Analytical Hebrew and Chaldee Lexicon. 


NY: Zordervan, no vocábulo llh coloca como possibilidade de tradução em Is 14.12 lucifer, contudo, 


não há qualquer base linguística para essa possibilidade

11 Se chama tradução idiomática uma tradução que faça sentido na língua destino

12 Os negritos são nossos, assim como o negrito colocado em todas as outras versões citadas

13 Como o meu latim é sofrível, usei aqui a tradução de SOARES, Pe. Matos. Bíblia Sagrada. X Ed. 


São Paulo: Edições Paulinas, 1982, que é uma boa tradução direto da Vulgata

14 Pequena luz

15 Ninguém ousaria traduzir essa passagem “...até que venha o dia, e lúcifer nasça em vossos corações”

16 Aqui também ninguém arriscaria a tradução“...surgirás como lúcifer.”

17 Imagine aqui a tradução “...antes de luciferum.”
18 O nominativo é o cas


o do sujeito, sem indicação de terminação, é a forma em que encontramos uma palavra no dicionário, 


tanto no grego quanto no latim

19 O acusativo é o caso do objeto direto que nas línguas declináveis como o grego, alemão, latim é 


formado pelo acréscimo de terminações ao radical da palavra, não alterando o seu significado, mas 


somente a indicação de sua função na frase

20 O * indica formas hipotéticas que não ocorrem na Vulgata, mas que são deduzíveis pela gramática 


latina

21 O aramaico também se lê da direita para a esquerda, contudo a transliteração está da esquerda para a 


direita

22 Nota-se que o targum já traz mais uma interpretação do que uma tradução

23 Esta palavra também ocorre em

24 Negritos nossos

25 The English Translation of The Sept


uagint Version of the Old Testament by Sir Lancelot C. L. Brenton, 1844, 1851, published by Samuel 


Bagster and Sons, London, original ASCII edition Copyright © 1988 by FABS International (c/o Bob 


Lewis, DeFuniak Springs FL 32433). Esta mema palavra, e`wsfo,roj , ocorre também em I Sm 30.17; Sl 


109.3; Jó 3.9; 11.17; 38.12; 41.10, mas a mesma versão só traduz por lucifer na passagem de Is 14.12, 


mostrando assim a forte influência teológica na tradução da passagem.

26 Aqui como em outras passagens da King James são evidentes as influências da Vulgata

27 A versão de 2007 da ACF troca a expressão estrela da manhã por Lúcifer e como paralelo coloca os 


versos de Ap 8.10 e Jó 38.7, mas não coloca Jó 11.17 e 38.32, etc, em que ocorre a mesma expressão. 


Considero a ACF uma ótima versão, entretanto, discordo da tradução dessa passagem nessa edição de 


2007

28Para explicações detalhadas e contundentes de todos estes termos ver verbete satanás no Dicionário 


Internacional de Teologia do Novo Testamento (DITNT). São Paulo: Vida Nova, 2000, p. 2271-2277

29No judaísmo há os nomes Satã ou Satanel, Ashmedai (Asmodeu), Samael o Anjo da Morte, para 


maiores detalhes sobre esses nomes e a concepção do diabo no judaísmo ver AUSUBEL, Nathan. 


Conhecimento Judaico II, p. 757-759


6 comentários:

Elmar disse...

Baal também não era um dos nomes dado á satanás e mencionado no AT na bíclia judaica???

emunah disse...

não, baal significa "senhor" e é usado para nomear um deus cananita.

Glenn disse...

Parabéns Pastor!

Obrigado por seus esclarecimentos.

Glenn

Anônimo disse...

Existe uma bíblia que deu o título estrela da manhã a satanás>
Pergunto: Pode dar este título a Jesus e a satanás?

José Ribeiro Neto disse...

conforme expliquei na matéria, lúcifer não é um nome bíblico, foi um erro de tradução com base na vulgata latina. O texto de Isaías se refere diretamente ao rei da Babilônia é só ler o contexto, indiretamente pode ser aplicado a satanás, mas não diretamente
Em Apocalipse, Jesus é chamado estrela da manhã. Ou seja, o diabo usurpa os títulos de Cristo, mas não se deve traduzir por influência teológico, mas sim o que o autor inspirado disse, "lúcifer" não é um nome bíblico, é um erro de tradução grosseiro.

obrigado por postar

Pr. Adão Carvalho disse...

Graça e Paz, Pr.José Ribeiro Neto
É um prazer conhecer o Blog do amado irmão em Cristo. Gostei muito do tema apresentado de uma forma bem coerente,gostaria que o pastor abordasse "Lúcifer como maestro dos anjos", pois na bíblia não cita nada a esse respeito e sempre vemos tais comentário na EBD. Gostaria se me permitir de pública-lo em meu Blog de "Curiosidades Bíblicas" Link: http://pastoradaocarvalho.blogspot.com , dois post publicado pelo pastor "lúcifer, a invenção de um nome 1 UMA ANÁLISE DA ORIGEM DO NOME lúcifer" e "Que shekhînah é essa? UMA ANÁLISE DA ORIGEM E USO DA PALAVRA shekhînah NO VOACBULÁRIO E HINOLOGIA EVANGÉLICA CONTEMPORÂNEA". Caso me autorize me mande um e-mail para mim, estaremos dando os créditos devido ao pastor e colocaremos o link do vosso blog.
Um forte abraço,

Pr. Adão Carvalho
Igreja Evangélica Presbiteriana Ebenézer - Itapetininga - SP.
E-mail:carvalhoadao@hotmail.com
Blog: http://ebenezeritapetininga.blogspot.com